31 de dezembro de 2017
servos da terra

31 de dezembro de 2017
servos da terra

“O pedido que te faço hoje, e para o ano que vai começar, é que tu intimamente hoje te consagres a verdade. Aqueles que são consagrados a verdade não serão decepcionados. Que os teus atos revelem a verdade de Deus. Que os teus atos revelem o que de melhor em ti trazes. Isto é o que não pode nunca ser negociado, nem objeto de compra nem de venda. A verdade é o que resplandece em atos que mesmo não falas; eles gritam e não se calam. Tu precisas ser um ser consagrado à verdade que é Cristo Jesus. Mesmo que nada viesses tu a dizer, o teu estilo de vida, a tua forma de ser, mostraria, na verdade, aquele em que tu crês. Vale mais o que tu mostras com atos do que o que de ti poderia se dizer, ou outros poderiam bem ou mal dizer.
Os teus atos revelam em quem tu acreditas. Os atos revelam os valores que tu cultivas. Nenhuma mentira prossegue da verdade. E a verdade é Cristo Jesus. A verdade é Nosso Senhor.
Naturalmente, luzes e sombras tu experimentas ao longo dos anos; nem sempre fazes o que queres, por vezes fazes o que nem desejas. Tu, por vezes, te percebes contraditório entre o que queres alcançar e o que vens a realizar. Todavia, Santo é Aquele que te criou e que te chamou para que, purificando-te crescentemente, tu possas viver um estilo de vida coerente com Aquele que por ti, definitivamente, já optou.
Consagra-te a verdade. Que a tua vida seja a verdade. Não compactue com o dolo, com o dolo transviado, modificado. Não compactue com o que não se coaduna com a verdade, porque aquele que comete um erro, leve ou grave, fica a dever na mesma proporção ao mal ao qual passará. Aquele que comete um erro, em menor ou maior gravidade, fica a dever este mal na mesma proporção em que tiver praticado. Que o Senhor purifique os teus atos e as tuas motivações, a fim de que o que disseres e o que fizeres revele, na verdade, a pureza das tuas intenções. E, dessa maneira, cultuarás o teu Pai que está nos céus. Dessa forma, crescerás em credibilidade, e aqueles que por viverem contigo haverão de dizer:
‘Na verdade, aí está presente alguém que é verdadeiro, em quem não há falsidade’.” (Pe. Airton)

30 de dezembro de 2017
servos da terra

“Agora, comigo, se possível, reza assim: ‘Se for para construir, eis-me aqui. Se for para continuar, faço-me disponível, mesmo que para isso há muito tenha eu ainda que renunciar. Se for para enfrentar, eis-me aqui; dá-me, contudo, tua graça; sem ela, eu sei que fracassarei como tenho fracassado, e disso bem sabes como bem sei. Em tudo, assiste-me; sou fraco. Se for para negar o que não corresponda ao amor em que quero viver, pronto estou. Leva-me, pois, aonde, sozinho, não posso ir; faze-me enxergar o que, sozinho, eu nem consigo ver. Se for para perdoar, que seja na condição de recomeçar. Estão em mim o querer e o desejar, mas, tu bem sabes, nem sempre me percebo com forças suficientes para executar. Está em mim o planejar e até o executar; quanto ao prosseguir, por vezes, faltam-me forças, condição externa, possibilidades internas, de levar adiante tamanha obra. Mesmo que por ela eu tenha optado e a ela, inteiramente, tenha me dado, maior do que eu sou é esta tua obra pela qual optei, que me confere sentido e pelo qual vivo e viverei. Por isso, eis-me aqui e peço-te que possa eu recomeçar, em razão de tua confiança, no desejo de acertar. Dá-me a graça da fidelidade. Tendo-te junto a mim, eu me sentirei apoiado se forças me vierem a faltar. Sem ti, não levarei adiante o que tiver iniciado; sem ti, nada terá continuidade. Vindo eu a cair, deixa-me recomeçar a partir do ponto em que a quebra tiver se dado; permite-me reconstruir-me a partir de onde qualquer descontinuidade tiver havido. Restabelece-me a unidade contigo, muito mais do que os meus atos tiverem feito de tua verdade desmentidos. Bem maior do que qualquer erro praticado é o bem que contigo, a partir de agora, poder-se-á realizar. Por isso, eu te peço: dá-me a graça da confiança a fim de poder recomeçar. Eis-me aqui!” (Padre Airton)

Páginas: 12345678

Multimídia Terra


Fatal error: Call to undefined function pg_connect() in /home/funda153/public_html/blog/wp-content/themes/terra_antigo/sidebar.php on line 96