27 de abril de 2017
servos da terra

“Grandes projetos nascem a partir de sonhos que, na realidade, encontram sustentabilidade. Contudo, se, em razão do desgaste havido, em razão de um descrédito por tanto tempo retomado, tu te tornas descrente ou revoltado(a), eu te digo: não tomes qualquer decisão enquanto possuis tais sentimentos. Deixa que tudo venha a se assentar, para que, de maneira enquanto possível, clara, firme, segura e serena, tu possas dar o próximo passo, sempre no desejo sincero de fazer o melhor até acertar. Não tomes decisões que ponham em risco o que tenha sido construído até aqui. Lembra: para quem ama, apesar dos riscos inerentes à própria vida, o melhor da vida ainda é viver.” (Pe. Airton)

27 de abril de 2017
servos da terra

26 de abril de 2017
servos da terra

“E se a luz vier a faltar, onde encontrá-la, para que, ao menos, os teus próximos passos possam ser iluminados e tenhas a certeza de que a bom termo haverás de chegar? E se a água vier a faltar, o que fazer para matar a tua sede? E se o cansaço, às tuas pernas, começar a chegar? E se tua visão não te ajudar a melhor enxergar? E se a motivação começar a arrefecer? E se perderes, em algum momento, a alegria de viver, o que fazer? E se entenderes que, por ti mesmo, a muito longe não poderás chegar? Se experimentares um limite em tua humana natureza, o que fazer, a quem recorrer, para onde ir? E se a respiração começar a te faltar? E se os sonhos tardarem a chegar? E se a vigília começar mais cedo, antes do dia começar, o que fazer? E quando perceberes que, por longo tempo, não poderás continuar com a situação que estiveres vivendo? E se sentires que os ideais de antigamente caíram num tempo longínquo ou até mesmo recente, para onde ir, o que fazer, a quem recorrer? Eu te respondo: considera, inicialmente, que o rio, por mais caudaloso que seja, virá a desaparecer, rapidamente, se perder sua conexão com as fontes, e se dispensados forem, igualmente, seus afluentes. Tal como o rio, se desvinculado fores de tuas fontes, de teu chão, perderás, nesse ato, tua identidade. Se entenderes que te bastas a ti mesmo e dispensares os que contigo têm estado, em breve tempo, perderás consistência, sentido e qualidade de vida; deixarás de viver, mesmo que te acredites vivo. Se Aquele, do qual procede a tua vida, não continuar a ter um lugar de centralidade, perceberás, rapidamente, o vazio, a falta a ser, o espaço de ausência, a brecha, a hiânsia, a falha, e, aí, o que fazer? No desejo de preenchimento do vazio que, a partir dali, acontecerá, buscarás onde não encontrarás o que quer que venhas a desejar. Quer a nível pessoal, quer a nível familiar, o Senhor teu Deus precisa ocupar um lugar de centralidade. Se, por alguma razão, vieres a descartá-lo, Ele continuará, em tua vida, como apelo constante, respeitando, contudo, tua liberdade.” (Pe. Airton)

Páginas: 12345... 1058»

Multimídia Terra


Fatal error: Call to undefined function pg_connect() in /home/funda153/public_html/blog/wp-content/themes/terra_antigo/sidebar.php on line 96